Cólicas intensas e sangramento: Quando pode ser endometriose?

No último mês, a cantora Anitta compartilhou em suas redes sociais que passaria por uma cirurgia para o tratamento da endometriose. “Muito comum em milhões de mulheres no mundo, mas não tão falado quanto deveria ser”, escreveu no Instagram. Após o relato, o tema ganhou uma grande repercussão dentro e fora do Brasil e vem sendo bastante comentado.

A endometriose é uma condição na qual as células do endométrio – tecido que reveste o útero – não são expulsas durante a menstruação e vão no sentido oposto do que deveriam, dessa forma, parando em outras cavidades do corpo – como ovários ou bexiga – e crescem de maneira desordenada, o que resulta em sangramento e dores intensas. 

É necessário ficar alerta pois a endometriose nem sempre apresenta sintomas mas, quando apresenta, são bem característicos: cólicas intensas que impedem a realização de atividades do dia a dia, dor durante as relações sexuais, infertilidade, dor e sangramentos intestinais e urinários durante a menstruação, fadiga e diarreia.

O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais e de imagem como ultrassom endovaginal, ressonância magnética, laparoscopia – para visualização de possíveis lesões – e exames de sangue. Entretanto, para ter certeza, uma biopsia precisa ser feita. Ela não tem cura, mas regride espontaneamente ao passo que a mulher atinge a menopausa, porque a produção de hormônios cai e as menstruações findam. É possível realizar o tratamento de acordo com as condições de cada mulher: utilização de anticoncepcionais, intervenções cirúrgicas, DIU e, até mesmo, remoção do útero e dos ovários. 

FITS - Faculdade Tiradentes de Jaboatão dos Guararapes
  • Tel: +55 (81) 3878-5701

Privacidade de Dados